Práticas integrativas

As práticas integrativas referem-se a um conjunto de recursos terapêuticos que expandem e aprofundam o olhar e cuidados sobre a saúde integral do ser humano. Nesta abordagem estimula-se os mecanismos naturais de prevenção e recuperação da saúde e a ênfase está na escuta acolhedora, estabelecimento de vinculo terapêutico e integração do individuo com o meio ambiente e sociedade, além do desenvolvimento do autocuidado (PNPIC, 2006)[1]

Propõe-se um olhar mais integrado à todas as dimensões da vida do sujeito, reconhecendo também o seu papel e responsabilidade no processo de recuperação ou manutenção da sua saúde, em termos globais: física, emocional, mental e energética.

Alguns estudos científicos já vêm sendo desenvolvidos a fim de comprovar os efeitos benéficos destas terapias e o Sistema Único de Saúde vem inserindo algumas destas práticas na sua rede de atendimento a partir da formalização da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares que estabeleceu as diretrizes gerais para implementação deste sistema.

As práticas integrativas são, portanto, um conjunto de técnicas e abordagens terapêuticas que compreendem o ser humano nas suas diversas dimensões: física, emocional, mental, energética e espiritual e propoe-se a auxiliar o próprio individuo a reestabelecer ou manter o seu equilibrio global e por consequência sua saúde.

Conheça algumas técnicas:

 

[1] Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS